Arquivo do mês: março 2012

Comparação entre paletas Naked da Urban Decay


Atendendo a pedidos, resolvi fazer uma comparação entre a Naked e Naked 2 da Urban Decay:

Seguem abaixo a resenha da Naked 1:



A Naked 1 tem as seguintes cores: Virgin, Sin, Naked, Sidecar, Buck, Half Baked, Smog, Darhouse, Toasted, Hustle, Creep, Gunmetal.

A paleta ainda vem acompanhada do pincel Shadow Karma Brush. Também inclui uma amostra do Primer Potion vide aqui a resenha deste primer para os olhos:

Já a Naked 2:

A Naked 2 tem as seguintes sombras: Foxy, Half Baked, Booty Call, Chopper, Tease, Snake Bite, Suspect, Pistol, Verve, YDK, Busted, Blackout.

A paleta ainda vem acompanhada do pincel Crease & Shadow Brush. Também inclui uma amostra de um gloss (que ainda não usei).

Conclusão da resenha:
As paletas são uma boa opção para quem costuma usar sombras de tom neutro. Em ambas paleta a única cor que se repete é a Half Baked – é linda e uso bastante (não me importei com a repetição).
Observei que a paleta Naked 1 é mais indicada para quem tem pele de tom quente (mais puxado para o dourado), enquanto a Naked 2 é mais indicada para quem tem pele de tonalidade fria (mais puxado para o prata).
Gostei mais do pincel Crease & Shadow Brush da Naked 2. O lado Crease tem a medida ideal para esfumar as cores, em especial, nos cantos externos e no côncavo:
 

No começo usava mais a Naked 2, mas, após a resenha tenho usado mais a Naked 1.  No geral, não é preciso comprar ambas as paletas, se fosse para comprar somente uma, sugeria analisar seu tom de pele ou levar em consideração a paleta Naked 1 acompanha uma amostra grátis do Primer Potion (o melhor primer para sombras).


Críticas:
Não gostei do acabamento aveludado da Naked 1. Suja muito tanto com as próprias sombras quanto pelos dedos com base e outros produtos para quem, como eu, tem o hábito de usar os dedos também.
O espelhinho da Naked 1 é muito pequeno se comparado com a Naked 2.
Nas duas paletas, infelizmente, apesar das cores serem bem pigmentadas (não é necessário a aplicação de primer para as cores ficarem pigmentadas), elas esfarelam quando o pincel é aplicado para depositar a cor. Além disso, costuma ultrapassar o limite do seu pedaço. 
O valor delas não é tão em conta, todavia, compensa  pelo custo x benefício e também por causa da quantidade de sombras na paleta.

Deixe um comentário

Arquivado em Dicas, Resenhas

Recado aos leitores

Hoje completei um marco aqui neste espaço: mais de dois mil acessos em um pouco mais de um ano.
Sei que pode não ser muito quando comparado com outros blogs disseminados nesta infinita  blogsfera, todavia, para mim, é muito importante saber que minhas opiniões são divididas e similares a de tantas pessoas. Surpreendi-me quando alguém comenta algo escrito aqui.
Tenho melhorado visivelmente desde que permiti o domínio público.
Não tenho a pretensão de ser a dona da verdade, são minhas opiniões meramente.
Utilizo este espaço para extravasar de situações que me irritam. Procuro descontar aqui as minhas frustrações. É muito legal quando alguém pede aconselhamentos amorosos. Sempre ajudei muitos amigos a enxergar melhor a relação, e recentemente, ampliei o meu leque de conselhos. Escrevo como falo e penso. Até pode parecer confuso, contudo, é deste jeito que os turbilhões de pensamentos bombardeiam minha mente.
Por isso, aproveito para agradecê-los pela visita!

Deixe um comentário

Arquivado em Contos, Pessoal

Marte e Vênus: quem disse?

Tudo bem, sei que a teoria consagrada em livros de auto-ajuda foi de John Gray, inclusive sou detentora de um exemplar (é ótimo: recomendo!), mas de uns tempos para cá, venho aconselhado amigos a ouvirem o outro.
Não é tão complicado assim. Os estudos comprovam que os homens são mais visuais enquanto as mulheres tendem a ser pela verbalização (os machistas já indicariam a fofoca como ponto de justificativa – pura balela: as pessoas mais fofoqueiras que eu conheço são do sexo masculino!).
Deste modo, em situações de brigas, elas querem argumentar e falar, falar, falar… Na verdade, a pretensão delas é vencer pelo cansaço mesmo. Ao contrário do sexo masculino, sofre em silêncio pensante, refletindo, ficando afastados até a energia negativa passar para não criar mais discussão.
A mesma acontece quando alguém se  apaixona: as meninas/mulheres reúnem as suas doze melhores amigas para contar; advinhem o que acontece com o futuro jovem solitário? Nada! Nada?! Como assim? Ele não conta para ninguém – assisti em uma entrevista da Tati Ribeiro que ao escrever um livro sobre relacionamentos de adolescentes perguntou ao seu marido como é quando o garoto se apaixona. Ela ficou incrédula como eu!
Ah e não adianta ficar emburrada sem verbalizar. Os homens não entendem indiretas sub-entendidas! Se você não explicar o que te chateou, ele nunca saberá o motivo e como repará-lo que você também deve explicitar a ele. Por favor, não queira acusá-lo, eles detestam ficar acuados como qualquer uma de nós também.
Quanto ao sexo masculino, não pensem que deixei vocês de fora: nunca mas NUNCA mesmo irrite uma mulher com a acusação de TPM! Sério! AINDA QUE SEJA VERDADE! Entendam esta fase sofrida viu, basta comprar um chocolate que quase tudo pode ser resolvido!
Seja cortês, educado, gentil, preste atenção em tudo o que fala, de vez em quando deixe o futebol de lado (pode até ser em um jogo amistoso – a maioria nem saberá da diferença) e uma indireta mais que direta a você: não brigue com ela ao terminar de se maquiar no carro!
Vão por mim, com isto vocês garantem um lugar especial para ela.
Não obstante, ambos lados deveriam aprender uns com outros a não brigar no calor das emoções,  não se exponha demais (nota mental para a própria autora), sejam claros, demonstrem a emoção e deem valor a quem você tem!
Marte e Vênus: quem disse?
Duvido que tantos os homens quanto as mulheres sejam de planetas diferentes, afinal, trata-se de uma complementação de encaixe dos relacionamentos.
E se alguém acreditar nisso, refuto a teoria, pois algum dos sexos migrou de planeta para promover seu encontro.
Na minha opinião, nós somos apenas terráqueos.  

Deixe um comentário

Arquivado em Divagações, Romance

Fernanda Young – Para quem me odeia

Para quem me odeia

“Eu te amo. E não seria metade do que sou sem você, juro.
É seu ódio profundo que me dá forças para continuar em frente, exatamente da minha maneira.
Prometa que nunca vai deixar de me odiar ou não sei se a vida continuaria tendo sentido para mim.
Eu vagaria pelas ruas insegura, sem saber o que fiz de tão errado.
Se alguém como você não me odeia, é porque, no mínimo, não estou me expressando direito.
Sei que você vive falando de mim por aí sempre que tem oportunidade, e esse tipo de propaganda boca a boca não tem preço.
Ainda mais quando é enfática como a sua – todos ficam interessados em conhecer uma pessoa que é assim, tão o oposto de você.
E convenhamos: não existe elogio maior do que ser odiado pelos odientos, pelos mais odiosos motivos.
Então, ser execrada por você funciona como um desses exames médicos mais graves, em que “negativo” significa o melhor resultado possível.
Olha, a minha gratidão não tem limites, pois sei que você poderia muito bem estar fazendo outras coisas em vez de me odiar – cuidando da sua própria vida, dedicando-se mais ao seu trabalho, estudando um pouco.
Mas não: você prefere gastar seu precioso tempo me detestando.
Não sei nem se sou merecedora de tamanha consideração.
Bom, como você deve ter percebido, esta é uma carta de amor.
E, já que toda boa carta de amor termina cheia de promessas, eis as minhas:
Prometo nunca te decepcionar fazendo algo de que você goste. Ao contrário, estou caprichando para realizar coisas que deverão te deixar ainda mais nervoso comigo.
Prometo não mudar, principalmente nos detalhes que você mais detesta. Sem esquecer de sempre tentar descobrir novos jeitos de te deixar irritado.
Prometo jamais te responder à altura quando você for, eventualmente, grosseiro comigo, ao verbalizar tão imenso ódio. Pois sei que isso te faria ficar feliz com uma atitude minha, sendo uma ameaça para o sentimento tão puro que você me dedica.
Prometo, por último, que, se algum dia, numa dessas voltas que a vida dá, você deixar de me odiar sem motivo, mesmo assim continuarei te amando. Porque eu não sou daquelas que esquece de quem contribuiu para seu sucesso.
Pena que você não esteja me vendo neste momento, inclusive, pois veria o meu sincero sorrisinho agradecido – e me odiaria ainda mais.

Com amor, da sua eterna.”

Deixe um comentário

Arquivado em Contos, Cultura e Entretenimento

Ele não é só um cara

Continuação de Ele é só um cara,  como alguém deveria ter fazer sentir:

“Ele não é só um cara.
Esse sim, esquenta as suas mãos e escuta os seus impropérios e gracinhas com o mesmo apego. Ele não te deixou apodrecendo ali onde você não pudesse incomodar. Ele é diferente de tudo o que é errado em seu mundo e em outros mundos.
Você diria que ele salvou sua vida se não soasse tão dramático. Ele não faz planos ou promessas, só surpresas, te ensinou a gostar de surpresas. Ele é diferente. Ele não é só um cara.
Ele te ouve como se te entendesse, fala como quem soubesse o que dizer e não diz nada muitas vezes, porque ele entende os silêncios. Ele existe. Você sabe que seriam bons amigos, bons parceiros, bons inimigos, mas você prefere ser a garota dele.
E sabe que serão importantes na história um do outro para sempre, independentemente de tudo que estiver pra acontecer. Porque ele não é só um cara. Você não quer mais só um cara. E ele é tudo que você quer hoje.”

Deixe um comentário

Arquivado em Contos, Cultura e Entretenimento

Ele é só um cara

“Ele é só um cara.

É só um cara.  Não o ‘denso lago de mistérios gozosos onde você mergulhou e ainda não submergiu’.Nem o ‘sustentáculo de todos os ossos de seu corpo’, tampouco ‘o mármore onde está gravada a suprema razão de sua existência’. É só um cara.

E quer mesmo saber? É um cara como todos os outros caras.

Esse que te perguntou as horas no meio da rua – podia ter sido ele e você nem ligou. O mendigo, o ginecologista, o padre, o dealer.  Ele estava ali o tempo todo. E ele não estava. Ele é só um deles. Vários. Uma legião. E ninguém.

É só um cara. E não a sua vida. E não todos os dias da sua história. E não todas as suas lágrimas juntas em um único sábado solitário. Ele não é o destino. É um cara. Existem muitos destinos.

Ele é só um cara que mal sabe escolher os próprios perfumes. Não sabe sangrar .Não sabe que nome daria a um filho. Não pode ficar mais tempo. Ele é só um cara perdido como muitos outros caras que você encontrou. E perdeu.

Ele é só um cara. E você já esqueceu outro caras antes.”

N.A: adoro este texto – se alguém souber a autoria, favor me passar para os devidos créditos.

Deixe um comentário

Arquivado em Cultura e Entretenimento

Fernando Pessoa

“Sossega, coração! Não desesperes!
Talvez um dia, para além dos dias,
Encontres o que queres porque o queres.
Então, livre de falsas nostalgias,
Atingirás a perfeição de seres.

Mas pobre sonho o que só quer não tê-lo!
Pobre esperença a de existir somente!
Como quem passa a mão pelo cabelo
E em si mesmo se sente diferente,
Como faz mal ao sonho o concebê-lo!

Sossega, coração, contudo! Dorme!
O sossego não quer razão nem causa.
Quer só a noite plácida e enorme,
A grande, universal, solente pausa
Antes que tudo em tudo se transforme.”

Deixe um comentário

Arquivado em Cultura e Entretenimento