Amadurecimento

Sexta aconteceu uma coisa bem chata comigo. Já era 19 horas, enfrentando o trânsito infernal de Curitiba (pior do que de costume do centro cívico até o batel), numa noite chuvosa, meu carro pelo qual tenho amor de paixão teve a embreagem derretida em plena Francisco Rocha.
Como toda prudente adulta, primeira ligação foi para o seguro relatando o ocorrido e solicitando um reboque. Depois para sua casa, avisando se alguém poderia lhe buscar. Resposta da minha casa (isso porque sempre sou a motorista designada a levar e ajudar todos): volte de táxi, pois não podemos te buscar.
Enquanto aguardava pacientemente pelo reboque, resolvi otimizar o tempo e ligar para todos meus amigos quem não tinha notícias. Oportunidades né?
Somente após mais do que o esperado o meu digníssimo veículo ser rebocado até o pátio da empresa para no  dia seguinte indicar em qual local ele deveria ser entregue, parei e pensei no quanto tanta coisa mudou em mim.
Se isso tivesse ocorrido em outras épocas, provavelmente é quase uma certeza de que desabaria em prantos como uma donzela em perigo. Nem fiz tanta piada com a situação como geralmente faço para mascarar a situação.
Entendam que para mim é muito difícil abrir o meu coração, em especial meus pensamentos que costumo guardar a sete chaves. Isso sem ressaltar que tudo aconteceu pós-análise quando deveria estar a garota do rímel borrado em pessoa, sorte que agora descobri o rímel a prova d´água + demaquilante, isto é, como superar uma crise sem dramas de novelas mexicanas.

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em Pessoal

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s