Viva e deixe viver

viva

Um dia você simplesmente acorda.

Acorda e percebe que sua vida não está do jeito que você gostaria e que muito embora “os 30 anos sejam os novos 20”, “os 40 anos sejam os novos 30” e assim por diante, suas inquietudes e ansiedades não deixam com que você se tranquilize sobre o seu futuro incerto e não sabido.

Um dia você simplesmente acorda.

Acorda e vê que todo o investimento que você fez numa carreira hoje não te dá a sensação de completude que você precisa, nem te realizada minimamente para que você se sinta motivado a seguir no caminho que um dia optou. 

Acorda e vê que tudo o que você colocou de você mesmo num relacionamento já não é mais suficiente e que a hora de admitir para você mesmo que “já deu o que tinha que dar” está cada vez mais próxima e que só não fez isso ainda por medo do amanhã, do depois… medo do segundo seguinte.

Um dia você simplesmente acorda.

Acorda e percebe que se não tivesse tentado jamais aprenderia o que te frustra. Jamais entenderia que amores nascem, crescem, às vezes não sobrevivem, mas que tudo isso serve de lição e que se estivermos dispostos a encarar os acontecimentos que nos cercam como professores, a vida será uma constante aula magna.

Acorda e vislumbra possibilidades na sombra do medo que não te deixa em paz, mudanças escondidas na barra da saia da mãe comodidade e do pai preguiça. Descobre que a falta de zelo consigo mesmo é irmã gêmea da falta de amor próprio que isso é veneno que mata aos poucos tanto quanto cigarro.

Um dia você simplesmente acorda.

Acorda e percebe que você, embora tenha participado ativamente de todos os momentos da sua vida, acabou em um lugar que você nunca quis ou com alguém com quem você não vê chances de crescer mais. Percebe que as imposições do mundo não são mais duras que as suas próprias e que muitas vezes prefere os problemas às soluções porque solucionar demandará tempo, esforço, dedicação e readequação dos seus planos e, convenhamos, aquela salinha da acomodação, cheia de almofadas confortáveis é convidativa, muito mais que do que abrir a porta e ir para a rua em busca do riso largo e sincero que você já nem sabe mais como se dá.

Um dia você simplesmente acorda.

Acorda e vê que descontar suas angústias compulsivamente na fará com que elas sumam e te ” Compulsivamente na comida não fará com que elas sumam e te fará se sentir pior ainda com os quilos a mais e com a consciência de ter criado mais um problema ao invés de ter solucionado o outro. Percebe que destapar um santo para cobrir o outro pode ser medida de emergência, mas jamais será a solução definitiva e, de fato, não existem soluções definitivas porque a vida não é estanque. Suas vontades não são estanques, suas metas não estão enraizadas e você é livre – só não é livre quem se acorrenta nas bolas de ferro do medo.

Um dia você simplesmente acorda e percebe que se não mudar, tudo será igual. Que a decisão de ser feliz é diária e renovável. Que ser sincero consigo mesmo é pressuposto para conseguir sucesso. Acorda para não querer mais dormir, pois percebeu que a vida é para ser vivida sem medo de errar. Mas percebe que se não fizer mais do que admitir para si mesmo que está tudo errado ou que boa parte das coisas não vão bem, nada mudará. Só boas intenções não movem a vida assim como água parada não move moinho.

Acorde. Recomece. Não se faça refém das suas escolhas quando ninguém além de você mesmo te obriga a segui-las. Acorde e veja o mundo. Sinta o mundo. Ande descalço na areia, diga que ama antes que a pessoa vá embora, deixe ir embora quem já não ama mais, aprenda a não guardar mágoas e a desapegar do rancor cancerígeno. Sinta a sua vida entrando pelas narinas, pelos olhos, pelos ouvidos, pela boca… Sinta a sua vida no seu coração.

Um dia você simplesmente acorda e vê que existe uma aquarela e tela em branco do novo dia esperando as cores que você decidir dar. Percebe a beleza que os dias nublados possuem e que eles, em sua melancolia, ensinam muito mais do que nós pensamos sobre nós mesmos. Percebe que a introspecção dos dias chuvosos da alma fazem dos dias de sol mais bonitos ainda, mas também nos mostra como a chuva é vital para a serenidade e harmonia. A chuva que lava a alma coloca ordem na casa e o arco-íris só existe quando há a aliança da chuva e do sol.

Um dia você simplesmente acorda e vive. E entende que as respostas que procura estão dentro de você e que só você pode resolver seus cubos mágicos.

* Texto da colaboradora Michelle De Mentzingen Gomes

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em Divagações, Pessoal

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s