Supere

CZi5mZ8UUAAp0LY

Esperar por algo que pode nunca acontecer é difícil, dói. Mas não esperar e conviver com a sensação de que “talvez se eu tivesse esperado as coisas tivessem acontecido” é pior ainda. Desistir daquilo que você entende ser tudo o que você sempre quis é pior do que ficar, ainda que esse ficar tenha seu quê de murro em ponta de faca. Então você insiste, as vezes estupidamente já que edificada numa esperança tola de que as coisas podem vir a funcionar. A sua parte você faz. Você se dedica ao trabalho novo, a esperar por algo ou alguém e esquece de lembrar que os resultados não dependem só de você, que existe toda uma vida paralela a isso acontecendo. E é exatamente por isso que as coisas podem mudar da noite para o dia.

Pela mutabilidade da vida você aprende que cada dia é único. Cada dia é seu primeiro e último. Cada oportunidade pode ser a última de dizer que ama, de agradecer por algo, de se desculpar, de voltar atrás, de desistir de algo falido e recomeçar. Cada dia é raro e vem cheio de milagres como quando você se depara com alguma situação que muda a forma como seu coração bate e você aprende a dançar conforme a nova batida dele enquanto esta batida durar. Cinco dias. Cinco semanas. Cinco meses. Mas você dança. Descalço no shopping ou de tênis na areia da praia. Você dança. Com roupa de festa no meio do supermercado ou de pijama no meio da rua, com pantufas de ursinho na chuva. Você dança sem medo de parecer ridículo porque você sabe que seu coração só bate diferente pelo o que te faz bem. Por quem te faz bem.

Você passa a vida inteira procurando por completude e você termina sendo um paradoxo ambulante. Você diz que é feliz ou que quer ser feliz e ainda assim se sujeita a ter a sua volta pessoas que só reclamam das coisas, que colocam defeito em tudo, inclusive no que você faz, que só te trazem para baixo ou que não te acrescentam nada de bom. Você diz que quer se sentir completo e convive, sem nada fazer a respeito, por medo ou comodismo, com pessoas que fazem o perto parecer longe e que, por tabela, fazem com que 900km pareçam mais perto do que aquele 1 metro que separa vocês num mesmo cômodo. Você diz que quer mudar, que quer novos horizontes, mas faz tudo exatamente do mesmo jeito e quando vê a oportunidade de mudar passando, recolhe a perna ao invés de pular no barco.

Você se revolta com as coisas que fazem contra você mas é incapaz de se defender. É incapaz de se priorizar, de dizer não quando quer dizer não, sim quando quer dizer sim e que você quer o que você quer e pronto. Você se indigna por ter uma vida medíocre, por ter um trabalho que não te satisfaz, por ter alguém ao seu lado cuja presença já não é mais companhia, ou nunca foi mas você quis se convencer de que era porque ou era isso ou ter que aprender a conviver com você mesmo e sua solidão, como se não tivesse nada de bom nisso. E o que você faz? Nada. Apenas se recorde que toda ação tem uma consequência e que se você não lutar pelo o que você quer você não terá direito algum de chorar pelo o que vier a perder. Porque, convenhamos, foi você quem quis assim.

Quando mais novo e na fase de idealizações, você faz listas, listas de tudo. Listas de como você espera que seu emprego após formado fosse, que tipo de chefe você gostaria de ter, que tipo de colegas de trabalho dividiriam o mesmo andar. Listas de como você gostaria que seu amor fosse quando aparecesse. Você pensa em alguém com senso de humor apurado, que te faz rir com a mesma facilidade com que você pisca os olhos. Você pensa em alguém que seja seu melhor amigo ao mesmo tempo que é o amor da sua vida. E que o amor da sua vida é aquele mocinho louro de olhos claros com quê de melhor jogador de futebol da escola ou aquela mocinha ruiva de olhos verdes e óculos de grau com quê de melhor aluna da classe. Pior ainda quando ela é a idealização dele, ele é a idealização dela e os dois passam a vida sem saber porque são orgulhosos ou medrosos demais para fazer seus mundos se cruzarem ou disfarçam quando os mundos se cruzam porque “o que é que vão pensar de mim se isso acontecer?”.

O que você percebe conforme o tempo passa é que isso tudo é uma tremenda bobagem. Que na verdade você não fazia ideia do que procurava, que aquela lista era possivelmente alguma receita pronta de bolo que deu errado e alguém esqueceu de apagar. Raramente é uma receita de bolo que deu certo, raramente você encontra aquilo que supostamente era o que você queria e estava na lista e você só percebe isso quando tromba por aí com aquela oportunidade de emprego na Austrália; com aquele andar lotado de gente que fala alto e que você achava que era a casa da mãe Joana mas na verdade era o melhor pessoal da firma; com aquele carinha do cabelo castanho desarrumado, do cavanhaque bem aparado e boa praça; com aquela mocinha dos cabelos ora castanhos, ora louros, olhos expressivos, sorriso largo e que tem o esmalte vermelho como característica.

Você morre todos os dias para nascer de novo. Se você nasce melhor ou pior, só cabe a você decidir. Aquela estátua de vidro linda que cai no chão e quebra em migalhas num primeiro momento pode ser uma decepção mas quando o sol bate nela, forma uma gama de cores que não teria se formado caso ela permanecesse inteira. E pode até achar que o ciclo da vida consiste em um dia perder e no outro ganharem de você. Todo mundo acha que merece uma vida plena e bem aproveitada, criando memórias novas e melhores a cada dia, mas a maioria passa os dias agindo como se o mediano contentasse e como se fosse razoável aceitar algo que claramente está errado em prol de… de quê mesmo? Por que é mesmo que se aceita isso? Vale a pena? Só uma pessoa pode avaliar isso a cada decisão tomada e essa pessoa é você.

Você que não diz coisas com medo de matar alguém de tristeza e acaba engolindo palavra por palavra e matando a você mesmo todos os dias, minuto a minuto, letra por letra. Você que esconde coisas com medo de provocar uma tormenta externa e vive em uma tormenta interior com tudo fora do lugar porque você não é capaz de reconhecer que algo vai errado bem debaixo do seu nariz e, quando reconhece, acaba sendo covarde e não age. Você morre todos os dias um pouco mais por não sair da sua zona de conforto. Por tratar quem te dá valor com desprezo. Por tratar quem te ama com indiferença. Por não amar. Você morre todos os dias quando esquece que amanhã ou depois tanto faz já que algumas oportunidades não voltam mais a não ser que você, com muito custo, reverta a situação. A não ser que você comece a viver e a responder que está bem somente quando estiver de verdade. Às vezes, dizer “eu não faço a menor ideia de como estou” é mais honesto do que um “estou bem” tão falso quanto nota de 1.99.

A vida não para. Ou você é forte o suficiente para assumir suas vontades e aguentar suas porradas ou você vai ser aquele sentado no sofá reclamando que nunca teve quem passasse um sábado acordado com você enquanto você tinha plantão de madrugada ou que nunca teve um companheiro de viagem que não dormisse no banco do carona mas sim ficasse cantando e falando abobrinha te fazendo rir para não dormir no volante. Você vai ser aquele que tem um empreguinho mais ou menos porque teve medo de aceitar uma proposta melhor por medo de não ser capaz quando todo mundo confiava no seu taco, menos você.

The world ain’t all sunshine and rainbows. It’s a very mean and nasty place and I don’t care how tough you are it will beat you to your knees and keep you there permanently if you let it. You, me, or nobody is gonna hit as hard as life. But it ain’t about how hard you hit. It’s about how hard you can get hit and keep moving forward. How much you can take and keep moving forward. That’s how winning is done! Now if you know what you’re worth then go out and get what you’re worth. But you gotta be willing to take the hits, and not pointing fingers saying you ain’t where you wanna be because of him, or her, or anybody! Cowards do that and that ain’t you! You’re better than that! – Rocky Balboa

Quando não se tem outra escolha, o melhor a fazer é seguir em frente. Quando escolheram por você o seu destino, lembre-se que o passo seguinte é seu. Quem decide se vai ficar sentado chorando no meio-fio 1 dia ou 1 mês é você. Quem decide se aproveita para tirar o salto ou o sapato apertado e correr uma maratona descalça é você. Se permita o tempo da cura. Mas não se permita a eternidade da clausura. Porque por mais que a vida seja dura e você só perceba que algo era importante quando esse algo se vai, ou você decide que esse algo tem que ir, quarto escuro só faz bem quando você está com enxaqueca e tem um monte de banho de chuva para você tomar lá fora. 

Anúncios

2 Comentários

Arquivado em Contos, Divagações, Pessoal, Sem categoria

2 Respostas para “Supere

  1. Texto lindo e de ótima reflexão! Adorei 😉

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s