Ir embora

17623715

Às vezes você tem que ir embora. Mesmo sem querer ir. Mesmo que você ainda tenha forças para aguentar mais um tempinho a ficar ali. Às vezes você tem que ir embora porque os motivos que te faziam ficar na verdade não existiam, eram uma verdade fabricada ou eram apenas uma parte da história. Às vezes você tem que ir embora a tempo de salvar-se a si mesmo de sentimentos tóxicos que no final anulem todos os bons que você tinha.

Às vezes você tem que ir embora. Ir embora do momento em que se encontra, da areia movediça em que se colocou. Tem que sair do estado de inércia da espera porque o que te faz esperar está acorrentado e mesmo vendo as chaves que o libertam dos grilhões não tem a capacidade de usá-las.

Ir embora exige coragem assim como abrir as portas do mundo e colocar os pés para fora das zonas de conforto. Eu sei, a sensação que dá é que sentamos no parapeito de um prédio alto e os pés ficam balançando no ar, sem chão a menos de uns cinco mil metros dos pés. E você se sente sem paraquedas e por isso não pula porque embora saiba que a sua vida inteira depende do salto muitas vezes, sua covardia e seu medo te fazem recolher os pés e voltar para o que você detestava mas já conhecia. As tais zonas de conforto que você sempre reclamou mas nada fez a respeito.

Em algum ponto da sua vida você percebe que ou você mata, ou você morre. E tem que escolher se será para sempre presa fácil do seu próprio destino ou se vai passar a matar seu comodismo e ir atrás do que quer. Nem que para isso você tenha que ir embora. Ir embora também significa chegar. Você não vai só embora. Você sempre chega em algum lugar depois que começa a caminhar.

Se a imutabilidade das situações fosse aplicável a nós indistintamente, teríamos nascido com raízes feito as árvores. Mas não. Nos resignamos com cada situação na vida na base do “tem que ser assim” só porque é mais cômodo. Porque dá medo fazer algo a respeito. Só tem que ser assim se a gente quiser que seja. Não tem milagre e nem adianta chorar depois. Nada paga ter um “eu tentei” estampado na testa.

Esquecemos ou fingimos que esquecemos que escolhas são passíveis de mudança. Que tudo tem sim suas perdas e seus ganhos. Mas o livre arbítrio nos permite mudar e no final do dia, mesmo que você não queira, ou você matou, ou você morreu. Ou você matou e morreu. No dia seguinte, tudo de novo. Mas do jeito que você determina.

Se você vive com a cabeça enfiada no casco você acha que o mundo é aquilo ali. E toma um susto quando vê que não é e que tem bem mais a explorar. Aí você se equilibra na corda bamba das decisões a tomar. Quebra a cara, cai, aprende a levantar. Quando vê, está craque nisso. Isso é viver.

Ir atrás do que se quer com a coragem de quem sabe que está fazendo o possível é a melhor coisa. O medo não pode nos impedir de tentar. E o medo não pode nos impedir de ir embora também. Porque talvez ir embora seja a única coisa que nos salve de morrer em vida.

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em Contos, Divagações, Pessoal, Sem categoria

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s